sexta-feira, 9 de março de 2012

Conferência, dia 2: fraude em alimentos, o que você precisa saber

John Spink, diretor adjunto do programa de ações anti-fraude da Faculdade de Justiça Criminal da Universidade de Michigan, define a fraude de alimentos como "uma adulteração intencional pelo uso de ingredientes mais baratos, visando ganho econômico".

John Spink, da Universidade de Michigan
Historicamente, as questões relacionadas às fraudes alimentares não têm recebido a mesma atenção que a segurança de alimentos e o food defense, mas John acredita que a conscientização sobre o tema vem  crescendo. Segundo ele, o aumento no número de fraudes é motivo de grande preocupação para o FDA. Em resposta, o órgão vem estimulando as empresas a reforçarem seus sistemas de prevenção e vigilância com base na avaliação de riscos. Paralelamente, o FDA vem melhorando seu sistema de resposta imediata e  aumentando sua velocidade de reação ao público, à indústria e a outros atores da cadeia.

Conversando com o palestrante, soube que nos Estados Unidos há vários cursos de graduação e de especialização em prevenção de fraudes. Tendo em conta os desafios representados pelo cenário econômico em todo o mundo e o fato de que a oferta de alimentos vem se tornando mais global, John alerta para o risco de uma pressão crescente para que fornecedores inescrupulosos cometam fraudes relacionadas a alimentos. Também assinalou que fraudadores têm buscado cursos técnicos especializados em ações anti-fraude no intuito de encontrarem brechas no sistema. Lembrando do caso da melamina no leite, fraude ocorrida na China em 2008, e nas criancinhas que morreram em consequência desse trágico episódio, as ameaças são realmente assustadoras.

Na China,  pelo menos seis bebês morreram e cerca de 300 mil pessoas ficaram doentes devido à fraude do leite com melamina




Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Conferência, dia 2: varejo e segurança de alimentos

Demorei, mas finalmente consegui um tempo para resumir duas outras palestras que assisti no segundo dia da Conferência.

Amanhã, teremos também o resumo de uma palestra sobre fraudes, da qual não consegui participar mas cujos slides me foram gentilmente cedidos por um dos palestrantes.



  • a multiplicidade de normas/esquemas
  • a não suficiência de esquemas suficientemente adequados
  • questões relacionadas à competência dos auditores
  • normas que por vezes exigem padrões por demais elevados/ sofisticados
  • a falta de follow up
  • a falta de massa crítica em alguns países



A rede Metro como catalisadora de mudança para a Segurança de Alimentos

Peter Overbosch, Vice-Presidente da Qualidade Corporativa do Metro Group da Alemanha, expôs a visão de sua empresa sobre o tema. Inicialmente, falou sobre a complexidade do atual sistema de absatecimento, que faz com que os consumidores se tornem cada vez mais distantes dos agentes da produção. Nos grandes centros urbanos, o varejo se firma cada vez mais como o principal ponto onde os consumidores obtém seus alimentos, levando o setor varejista a desempenhar um papel cada vez mais importante na evolução da segurança de alimentos.


Peter fez um apanhado histórico da garantia da qualidade: no passado, o fabricante é quem definia como deveria ser o produto, ao passo que atualmente estamos na era do controle dos processos ao longo da cadeia de suprimentos, Mas algumas empresas já estão uma etapa à frente, o que implica em uma abordagem de produtos e processos orientados para o que o consumidor deseja, sem desvios nem perdas. Para tanto, é preciso evoluir para além da garantia e da prevenção, priorizando a  redução de perdas e a melhoria contínua de processos com foco no meio ambiente.

Achei muito pertinente a crítica que Peter fez à confusão cada vez mais frequente entre o que de fato representa um perigo para a segurança de alimentos, com base em  evidências científicas, e o que é apenas percebido como perigo.

Particularmente, tenho chamado bastante a atenção para esse ponto, sendo que na Food Design passamos a diferenciar entre segurança intrínseca, quando de fato há perigo à saúde, e segurança percebida, quando se trata mais de uma percepção do consumidor sem fundamento científico. Muito se tem alardeado sobre perigos que não são perigos: apenas a título de exemplo, podemos citar a questão dos OGMs (organismos geneticamente modificados), que tem suscitado desconfiança e medo desnecessariamente. Nossa recomendação tem sido a de priorizar o que efetivamente diz respeito à saúde, deixando a segurança percebida para ser tratada pelo cliente da maneira que julgar oportuno.

Peter destacou as virtudes da certificação como um passo adiante, que ajuda o segmento a evoluir, mas também foi claro em suas críticas:
Segundo ele, “a certificação não pode ser a palavra final. Precisamos de uma continua demonstração de capacidade. Precisamos engajar os fornecedores de forma ativa".

Peter levantou o tema da certificação para lojas/ supermercados. Explicou que a rede Metro não exige isso, mas muitas unidades já estão certificadas em normas como IFS para varejo, ISO 22000, além de outras certificações locais, claro que sempre cumprindo os requisitos da próprio rede.

Encerrando sua apresentação, Peter voltou a enfatizar que devemos classificar perigos com base em ciência, desenvolvendo métodos mais eficazes de treinamento e resistindo à tentação de ceder à pressão de grupos movidos por outros interesses.


Quem é responsável pela segurança de alimentos? 
A perspectiva do consumidor

Charlie Arnot, CEO do The Center for Food Integrity, dos EUA, mostrou os resultados de uma pesquisa quantitativa feita com mais de 2000 consumidores em seu país sobre atitudes em relação à segurança de alimentos.


Os resultados apontaram como prioridade a segurança de alimentos, seguida do preço. Entendo que este dado está alinhado com a visão do representante do grupo Metro, Peter Overbosch, pois após  conseguir a garantia da segurança em toda a cadeia de suprimento, há que se esforçar para reduzir perdas, o que automaticamente levará à oferta de preços mais baixos.


Charlie discutiu os desafios enfrentados pelos stakeholders da indústria para a construção da confiança do consumidor no sistema alimentar de hoje. Ilustrou este desafio relatando o caso do recall de ovos que ocorreu nos Estados Unidos em 2010, quando mais de meio bilhão de ovos foram recolhidos por suspeita de Salmonella enteriditis. O episódio causou um enorme impacto no mercado de ovos, desencadeando um grande número de ações litigiosas entre empresas além de uma forte pressão junto ao FDA e ao Congresso dos Estados Unidos. Concluindo, Charlie disse que este foi mais um dentre vários casos de contaminação que contribuiram para acelerar a aprovação do FSMA – Food Safety Modernization Act, já citado no post publicado anteriormente sobre a palestra de Michael Taylor, do FDA.





Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

sexta-feira, 2 de março de 2012

Conferência, dia 2: tendência das práticas domiciliares de segurança de alimentos


Escolhi esta palestra porque tenho um especial interesse pelo tema, e também porque acredito que toda a sociedade de segurança de alimentos deveria estar mais atenta a esta parte da cadeia de alimentos.

Todos sabemos que uma parte significativa dos surtos acontece por descuidos, ou por falta de informação nas etapas que ocorrem nos lares. Alguns autores estimam esse percentual em 15% a 20%, mas em países menos desenvolvidos, onde as pessoas costumam se alimentar mais frequentemente em seus lares e consomem menos produtos industrializados, o número deve ser muito maior.

Christine M. Bruhn, PhD do Departamento de Ciência e Tecnologia de Alimentos da Universidade da Califórnia em Davis,  nos Estados Unidos, enfatizou a importância da segurança dos alimentos nos lares dos consumidores, relatando dados de pesquisa desde a compra dos produtos alimentícios até o seu armazenamento e preparo domiciliar.


Christine M. Bruhn, da Universidade da Califórnia - Davis

Christine mostrou um gráfico com a porcentagem das pessoas que foram observadas visualmente lavando as mãos em momentos críticos do preparo de alimentos, como após manusear frango cru e quebrar ovos crus, ou antes do preparo efetivo dos alimentos. Detalhe: essas pessoas sabiam que estavam sendo observadas.

Veja só que resultados chocantes:



Observe que o número de pessoas envolvidas na pesquisa é muito significativo, cerca de 4500.

O dado que mais me chamou a atenção é que cerca de 50% das pessoas observadas afirmavam já ter tido algum curso ou formação relevante sobre segurança de alimentos. Se as pessoas agiam dessa forma mesmo sabendo que estavam sendo observadas, imaginem quais seriam os resultados se não soubessem...

Christine apresentou um grande número de dados de várias outras pesquisas, cujas conclusões resumo a seguir:
  • a proporção de consumidores que não seguem os cuidados recomendados é muito alta
  • a adesão real para um manuseio seguro não é tão grande quanto o comportamento relatado verbalmente levaria a crer
  • se o alimento contiver agentes patogênicos, a contaminação cruzada é provável
  • os educadores devem enfatizar as técnicas de lavagem
  • as tecnologias avançadas podem significar mais proteção para osconsumidores
  • os consumidores parecem receptivos à utilização de tecnologias avançadas para aumentar a segurança

O Dia 2 foi muuuuito longo. Fique no ar, ainda temos bastante informação pela frente!





Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.


quinta-feira, 1 de março de 2012

Conferência, dia 2: a Chiquita é bacana no campo, a higiene na casa do consumidor nem tanto

Nesta semana, ficou um pouco mais difícil manter a produção dos posts no ritmo anteriormente previsto. pois quando voltei de viagem a montanha de trabalho havia crescido (felizmente...). Outro motivo da defasagem é que eu convidei os colegas cadastrados no nosso mailing para que viessem até a Food Design na terça feira passada para que eu pudesse mostrar pessoalmente o que foi a Conferência.

No dia 2, houve muitas outras palestras e sessões paralelas após o café da manhã. Vou fazer o relato de duas palestras que assisti e nas quais me esforcei para anotar o máximo possível,  já que elas nos ajudam a refletir com profundidade sobre como devemos tratar as pontas da cadeia “farm to fork”.

Reduzindo riscos no nascedouro da produção

Joan Rosen, Diretora de Segurança de Alimentos da Chiquita Brands International dos Estados Unidos, proporcionou um abrangente overview da sistemática adotada pela empresa em sua cadeia produtiva.


Joan Rosen, da Chiquita Brands International
 
O principal produto da Chiquita Brands é a banana, mas a empresa também produz outras frutas como abacate e abacaxi, além de saladas, frutas desidratadas e frutas cortadas prontas para o consumo.

A distribuição da empresa está concentrada principalmente nos Estados Unidos e na Alemanha. As frutas são cultivadas em vários países tropicais conforme o mapa abaixo.

                (Fonte: http://www.chiquitabananas.com)


Após ler o meu relato, o leitor certamente irá concordar que não é à toa que a Chiquita Brands é líder num mercado aparentemente tão banal como o de... bananas.

Para a Chiquita, a segurança de alimentos começa com o controle do campo, o que não chega a ser uma novidade. Mas o que me chamou atenção é que fazem o controle de todos os taliões, mapeando-os para determinar cada talião liberado e cada talião reprovado para a produção. Assim, através de um minucioso processo de rastreabilidade, a empresa garante que esse mapeamento de aprovação dos taliões seja rigorosamente respeitado.

Segundo Joan, cada etapa do processo é garantida conforme o programa de integração denominado “Sete Etapas da Prevenção”:
  • Boas Práticas Agrícolas Integradas (GAPs)
  • Auditoria de todas as etapas da cadeia produtiva
  • APPCC/HACCP integrado
  • Educação progressiva
  • Sistema de rastreabilidade integrada
  • Sistema de Food Security
  • Gerenciamento avançado de riscos
Joan relatou ainda que os GAPs da Chiquita excedem os requisitos do FDA e do Leafy Greens Marketing Agreement (LGMA), acordo subscrito por cerca de 99% dos produtores agrícolas da Califórnia para elevar o padrão de segurança de alimentos. A lista dos grupos de requisitos dos GAPs da Chiquita se assemelha à do GlobalGAP, porém há um grupo de requisitos destinado a aprofundar toda o histórico do terreno do cultivo e dos terrenos vizinhos, bem como as alterações ocorridas ao longo do tempo.


A equipe de Joan Rosen é formada por mais de 40 especialistas, de agrônomos a microbiologistas (sendo muitos deles Ph.Ds), focados na excelência da segurança de alimentos. Essa equipe realiza milhares de auditorias por ano desde o campo e as packing houses até a estocagem e distribuição.

(NR: a cobertura da outra palestra mencionada no início seguirá no próximo post.)



Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.


terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Conferência, dia 2: visita à área dos expositores

Todos os anos, sempre há uma área reservada aos expositores no local da Conferência. Aqui está uma vista parcial dessa área, tendo em primeiro plano o stand da SQF, um dos esquemas reconhecidos pelo GFSI.


Como já mencionei, um dos melhores aspectos desses eventos é a oportunidade de rever amigos. No stand do BRC, reencontrei John Kukoly, que esteve em São Paulo em novembro de 2011 para ministrar, a convite nosso, um curso de implementação de BRC Food Safety, já na nova versão 6.

Jessica Wigram, da equipe organizadora do GFSI, e John Kukoly do BRC

Já no stand da IFS, reencontrei a Dra. Andrea Niemann-Haberhausen da DNV Alemanha, que no ano passado deu uma “aula-show” em conjunto com Ralph Geyer da Hygenius Alemanha no lançamento do curso de pós graduação lato sensu em SGI – Sistemas de Gestão Integrados.

Dra. Andrea Niemann-Haberhausen da DNV,  e  Caroline Nowak e Nina Lehmann da IFS
Este curso, que em 2012 terá sua segunda edição, é uma iniciativa da Food Design em parceria com a Universidade Positivo. Mais informações estão disponíveis em http://www.fooddesign.com.br/pos-graduacao.php





Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Conferência, dia 2: sessões plenárias


Novo paradigma regulatório em um mundo interconectado

Dando continuidade à cobertura do dia 2 da Conferência, depois das sessões do café da manhã vieram as plenárias. Ainda que não tenha sido a primeira em ordem cronológica, vou dar um destaque especial à palestra de Michael Taylor, Vice Comissário da área de alimentos do FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos, que sinalizou o novo paradigma na garantia da segurança de alimentos decorrente da publicação do Food Safety Modernization Act (FSMA), em 2011.


Dos vários pontos chave apresentados, Michael afirmou que a colaboração público-privada terá um papel fundamental na implementação do FSMA, especialmente no tocante à certificação de terceira parte para o Programa de Verificação de Fornecedores Estrangeiros.

O Programa de Verificação de Fornecedores Estrangeiros está fundamentado no gerenciamento privado da cadeia de alimentos por parte dos produtores. Em vez de se basear em inspeções feitas nos portos de entrada, o FSMA passa a responsabilizar os importadores por verificar que o alimento tenha sido produzido de acordo com as normas americanas, ou controlado preventivamente para promover o nível requerido de proteção à população, e isto de uma forma que seja transparente ao FDA. Ou seja, os importadores devem gerenciar sua cadeia produtiva de modo a garantir a segurança dos alimentos exportados para os Estados Unidos.

Michael afirmou ainda que o congresso dos Estados Unidos reconheceu a importância do papel das auditorias e certificações de terceira parte. A exemplo do GFSI, o congresso daquele país e o FDA sabem que uma auditoria privada rigorosa e objetiva pode agregar ao sistema de supervisão das autoridades regulatórias, mas questões como rigor e objetividade devem sempre ser discutidas.

Michael Taylor esclareceu que as auditorias não irão substituir inteiramente as inspeções regulatórias. A supervisão adequada de importadores e de unidades produtivas estrangeiras pelo FDA continuará tendo um papel importante, até para servir de apoio ao estabelecimento e à manutenção do novo sistema de certificação.

O papel do GFSI no novo sistema

Finalizando sua apresentação, Michael afirmou que o GFSI terá um papel especial na construção do novo sistema de importação para que ele seja eficaz, transparente e de alta credibilidade, e que várias questões devem ser trabalhadas e garantidas com o apoio da entidade. A título de exemplo: como garantir um adequado nível de experiência e capacitação para os auditores? Como manter sua independência e integridade? O que fazer para atrair auditores capacitados a seguirem carreira nesta área de atuação?

Meus comentários:

Fiquei bastante entusiasmada com o novo paradigma, embora partilhe das mesmas dúvidas levantadas pelo representante do FDA.

Minha visão atual é a de que a competitividade exacerbada entre as certificadoras e a busca de orçamentos cada vez mais baixos por parte das empresas tem transformado os preços das auditorias em um verdadeiro leilão, alijando do mercado excelentes auditores sêniores, desestimulados pelo valor disponível para sua remuneração.

Tenho manifestado publicamente o meu receio de que esta “guerra” um dia venha a colocar em risco a credibilidade do sistema de certificação. Mesmo assim, estou otimista e acredito que com este novo player (ou seja, o FDA) no horizonte, em breve a escolha da certificadora deixará de ser um leilão por parte de algumas empresas para se tornar uma parte essencial de seu esquema de segurança, como aliás já o é para muitas outras. Neste novo tempo, as certificadoras e consultorias serão de fato encaradas como parceiros de negócio, permitindo uma justa remuneração para os auditores e consultores. A certificação será certamente mais respeitada, e sua credibilidade será inquestionável. Até perante o FDA!




Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Conferência, dia 2: a embalagem no centro das atenções

De manhã bem cedo, precisei decidir entre quatro convites para o café da manhã. Optei pelo tema Normas em Embalagens e seu Impacto na Indústria de Alimentos, visto que desde 1997 a Food Design vem se especializando em segurança de alimentos em embalagens. Por conta deste processo de especialização, em 2007 fui convidada por John Oakley, então do BRC - British Retail Consortium, para ser preparada para atuar como ATP (Approved Training Provider) das normas BRC Food Safety e BRC IoP para embalagens.

Neste evento, foi apresentado o escopo do GFSI para o setor de embalagens, abrangendo desde a produção de materiais e componentes para embalagens na forma de matérias-primas até produtos parcialmente processados, semi-convertidos, convertidos ou completamente acabados. A seguir, foram apresentados quatro esquemas ou normas de segurança de alimentos para embalagens, cuja equivalência pelo GFSI está ou estará sendo pleiteada.

Houve também uma apresentação de Tod F. Eberle, Vice Presidente para Normas da Qualidade e de Engenharia da Amcor dos Estados Unidos, que mostrou a visão de sua empresa em buscar a certificação em normas de segurança de alimentos por esquema reconhecido pelo GFSI.

Tod F. Eberle e Joanna Griffiths

Anúncio da norma IFS PACsecure para embalagens

George Gansner, Diretor de Marketing e Desenvolvimento de Negócios do IFS - International Featured Standards, com sede em Berlim, e Larry Dworkin, Diretor da PAC - The Packaging Association (Associação de Embalagens do Canadá), divulgaram a oficialização em 15 de fevereiro da aliança entre suas respectivas entidades.

George Gansner
Após a apresentação, entrevistei Larry Dworkin que me explicou que o objetivo da aliança é unir forças e conhecimentos. Larry informou que a aliança busca a equivalência do GFSI para as normas PACsecure, que já haviam sido publicadas pela PAC para embalagens primárias e secundárias. Com a aliança, estas normas passam agora a ser denominadas IFS PACsecure. O especialista informou ainda que no momento há cinco normas PACsecure baseadas em HACCP, específicas para diferentes categorias de materiais.

Larry Dworkin e Ellen Lopes
BRC IoP para embalagens

A BRC/IoP - Global Standard for Packaging and Packaging Materials, que já está em sua versão 4, publicada em 2011, foi apresentada por Joanna Griffiths, Gerente Técnica do BRC.

Joanna Griffiths, do BRC
As caraterísticas da norma BRC feita com o apoio da IoP – Institute of Packaging são o respeito à legalidade, higiene, qualidade e segurança para o consumidor, e o atendimento aos requisitos do Codex Alimentarius, além dos requisitos determinados pelo produto a ser colocado na embalagem.

FSSC 22000 para embalagens

Marc Cwikowski, Diretor de Qualidade e Segurança de Alimentos de Fornecedores da Coca Cola Bélgica, apresentou o esquema de certificação FSSC 22000 para embalagens. Este esquema, que envolve a ISO 22000 mais a Norma PAS 223 publicada em 2011, também contempla as normas ISO 22003 e ISO 17021 que abordam sistemas e processos.

Marc Cwikowski, da Coca-Cola Bélgica
Perguntei quando as certificações acreditadas estarão disponíveis. Marc me respondeu que por enquanto as entidades proprietárias das normas ou esquemas estão solicitando extensão de acreditação aos Organismos de Acreditação (ABs – Accreditation Bodies). Depois do reconhecimento por parte dos ABs, os organismos certificadores (CBs - Certification Bodies) licenciados poderão realizar as certificações acreditadas. Enquanto isto não ocorrer, os organismos de certificação podem fazer somente certificações não acreditadas.

SQF para embalagens

LeAnn Chuboff, Diretora Sênior do SQFI, apresentou o esquema de certificação SQF para embalagens. A norma SQF atualmente pertence ao SQFI - Safe Quality Food Institute, uma entidade americana que adquiriu os direitos dessa norma desenvolvida por uma entidade australiana. Isso explica a distribuição geográfica da certificação SQF: 64 % nos Estados Unidos e 20% na Austrália. O esquema SQF para embalagens prevê a aplicação de dois módulos: o modulo de sistemas e o modulo de produção para embalagens de alimentos.

LeAnn Chuboff, do SQFI



Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

Socializando em Orlando, 2 – jantar oferecido pela DNV

Ontem, postei um overview das palestras do Dia 1 para fechar a parte técnica, mas faltou falar que à noite houve um jantar oferecido pela DNV para os seus convidados. O local foi o restaurante Morton's - The Steakhouse.


Como o próprio nome diz, a especialidade do Morton’s é carne, e posso afirmar que a qualidade era para gaúcho nenhum botar defeito. O cheesecake de sobremesa estava divino! Aliás, por alguma razão que não consigo explicar, os cheesecakes americanos são incomparavelmente melhores que os que já comi no Brasil. Um caso a ser elucidado por alguma tese de escola de gastronomia...
Mas é claro que o melhor de tudo foi poder conversar com amigos e fazer novas amizades. 


A seguir, uma foto da mesa mostrando alguns dos colegas que lá estavam:




Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.


quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

A Conferência acabou - mas o que aconteceu por lá está aqui em primeira mão!

Como você sabe, a Global Food Safety Conference 2012 terminou na sexta feira passada, dia 17 de fevereiro. Neste ano, 933 especialistas de 47 países reuniram-se em Orlando, quebrando todos os recordes das edições anteriores.

Em virtude do feriado de Carnaval no Brasil, decidi interromper as postagens na própria sexta feira, até porque já estava em vésperas de viajar de volta aqui para a nossa terrinha. Hoje, aproveito as “cinzas” desta quarta feira ensolarada para retomar a publicação das notícias, a começar pelo relato das palestras que fecham o Dia 1 da Conferência. Outras matérias serão postadas diariamente até que eu termine de relatar tudo o que vi por lá.






Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

Fechando o Dia 1 da Conferência


Retomando o que ocorreu no primeiro da Conferência, na parte da manhã participei do Stakeholder Meeting, conforme relatei em um dos posts anteriores. Na parte da tarde houve uma série de palestras, uma mais interessante que a outra, sendo que duas delas também já foram comentadas em posts anteriores com a colaboração da Juliane Dias Gonçalves, a quem mais uma vez agradeço.


A seguir, comento sobre as demais apresentações do primeiro dia:

Evolução do sistema de produção de alimentos: benefícios, tendências e riscos

John D. Floros, Professor do Departmento de Ciências de Alimentos da Pennsylvania State University, iniciou com uma frase de Winston Churchill resumindo a ideia central de sua apresentação: “quanto mais distante você conseguir enxergar para trás, mais longe poderá ver a sua frente”.


John fez uma restrospectiva histórica das mudanças no sistema de produção e distribuição de alimentos, pontuando que o sistema é complexo e que muda ao longo do tempo e do espaço. Ilustrou este fato comentando que 60% das frutas e verduras e 80% dos frutos do mar hoje consumidos nos Estados Unidos são importados, e que a inspeção física se restringe a somente a 1% do volume total. Para mim, este é mais um dado que aponta na direção de um sistema mundial mais preventivo do que baseado em inspeção.

John acrescentou que durante a segunda metade do século 20 a população mundial dobrou de tamanho, com uma enorme migração das áreas rurais para centros urbanos, sendo que no mesmo período a produção de alimentos aumentou mais que o dobro. Sua conclusão é que a evolução tecnológica no processamento de alimentos foi e continuará sendo um elemento crítico na equação de como produzir mais para uma população mundial que continua a crescer e que se torna cada vez mais complexa. Para que esta evolução se processe na velocidade necessária, John afirma que a sociedade deve investir em pesquisa aplicada e educação e que os cientistas devem trabalhar juntos ressaltando que a área acadêmica, por sua vez, deve colaborar com os outros stakeholders da cadeia de alimentos.


O avanço da segurança de alimentos através da colaboração

Frank Yiannas, Vice-Presidente de Segurança de Alimentos Corporativo do Walmart, Estados Unidos, e Yves Rey, Diretor Corporativo para a Qualidade da Danone, França, abordaram o desafio atual da humanidade de como fornecer alimentos seguros a preço acessível em uma muito bem concatenada apresentação em formato de “bate-bola”: um falava e o outro complementava.



Após apresentarem uma nova visão histórica das mudanças no sistema produtivo e de distribuição, comentaram sobre a atual evolução do varejo de alimentos. Enfatizaram a relevância da visão holística do “campo ao garfo”. (Aqui, gostaria de acrescentar um comentário meu: até algum tempo atrás falava-se em do “campo à mesa”, mas a visão mais atual incorpora o “garfo”, simbolizando o último elo da cadeia, que é o próprio consumidor. Até recentemente o impacto do tratamento dado pelo consumidor vinha sendo relegado a um segundo plano, o que deve ser absolutamente repensado e considerado por todos os atores da cadeia de alimentos, como demonstrado na palestra da Dra. Bruhm que comentarei em um post futuro.)

Yiannas e Rey chamaram a atenção para o fato de que embora o número anual de vítimas fatais de doenças veiculadas por alimentos (1,8 milhões de pessoa por ano conforme dados da OMS) corresponda a 91 terremotos seguidos de tsunamis com intensidade comparável à do que atingiu o Japão em 2011, ou a 986 furacões com o poder de destruição do Katrina, a sociedade mundial não tem dado a devida atenção a esse fato.

O século XXI requer uma maior colaboração mundial de todos os atores da cadeia de alimentos. Somente com o aumento de responsabilidade compartilhada por todos é que poderemos fazer face aos desafios. O sucesso é vital para a nossa sobrevivência. Temos a obrigação de ter sucesso”, concluiu a dupla de palestrantes.


Reunindo os Stakeholders
Jürgen Matern, Vice Presidente de Sustentabilidade e Assuntos Regulatórios da Metro, rede varejista com sede na Alemanha,  discutiu o papel do GFSI como plataforma que possibilita reunir os diferentes atores da cadeia global de alimentos, e que discute as melhores práticas e o caminho a ser trilhado pela cadeia de suprimentos com os maiores especialistas de segurança de alimentos do mundo.


Jürgen discorreu sobre a estratégia atual do GFSI para possibilitar maior colaboração mundial entre todos os atores da cadeia de alimentos: criar links entre organizações e organismos regulatórios, construir confiança em certificações de terceira parte, melhorar a comunicação e a expansão geográfica.

A seguir, mostrou resultados de uma pesquisa da Unversidade de Aarhus, na Dinamarca, sobre em quem o consumidor mais confia: 62% nos produtores, 61% nos varejistas e 50% no governo.

Para avançar na segurança global de alimentos através da colaboração, Jürgen  propôs aos participantes intensificar o intercâmbio de conhecimentos entre especialistas, o intercâmbio de dados e uma comunicação cada vez mais aberta em toda a cadeia de alimentos, conclamando ao final “Just do it!”.

Creio estar contribuindo um pouquinho para tanto, já que este é o terceiro ano em que estou divulgando, através deste blog, as mais importantes conclusões do maior evento anual do GFSI. Posso sugerir que você também ajude a divulgar o conteúdo da Conferência? É só mandar o link deste blog para os seus colegas e conhecidos da nossa área. Obrigada, e até o próximo post!




Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Socializando em Orlando

A "Conferência do GFSI “, como costumamos nos referir ao evento, sempre tem um lado social bastante movimentado. Abaixo, as imagens do coquetel e de um grupo de brasileiros durante o almoço.

Da esquerda para a direita: Yangying XU, representante do GFSI na China; eu; Jessica Wigram, Gerente Senior do GFSI, e John Kukoly, representante do GFSI para as Américas

Da esquerda para a direita: Angela Pellegrino, Juliani Kitakawa, Katia Nogueira, Reinaldo Figueiredo e eu

Reinaldo Figueiredo, da ANSI USA, e Rosinely Martins, da SGS Brasil






Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

Conferência, dia 1: palestras Peter Embarek e Jean-Jacques Vandenheede

Conforme mencionei no post anterior, a Juliane Dias Gonçalves se prontificou a colaborar com o blog. Fico muito feliz com isso, pois compartilhamos a filosofia de apoiar o desenvolvimento da segurança de alimentos no nosso país.

Aqui vão duas reportagens que a Ju ajudou a postar, e que eu complementei com algumas imagens.



Agilidade na troca de informações sobre segurança de alimentos em um mundo globalizado

Peter Embarek, da OMS- Organização Mundial da Saúde, falou sobre a enorme importância de se agir de forma rápida e eficaz para minimizar os danos potenciais de um surto, preferencialmente antes de sua efetiva ocorrência ou da identificação do primeiro caso, o que é ainda mais relevante quando se considera a grande quantidade de produtos com distribuição global.


Ele apresentou o bem sucedido caso do recall de fórmula infantil contaminada com S. oranienburg ocorrido na Rússia em janeiro deste ano, que foi realizado de forma rápida e eficaz. Tratava-se de um produto belga, de longa vida de prateleira, que cruzou fronteiras e afetou uma população sensível. Embarek citou que canais de comunicação eficazes foram usados como o site da INFOSAN para o desdobramento do caso. A INFOSAN - International Food Safety Authorities Network é uma rede global de 177 membros para tratamento de emergências em segurança de alimentos, iniciativa conjunta da OMS e da FAO.



Peter comentou ainda sobre a importância de as indústrias compartilharem seus resultados rotineiros de análises microbiológicas e de contaminantes, pois elas acumulam um valioso banco de dados que os órgãos fiscalizadores jamais serão capazes de construir. A Juliane comentou sobre a dificuldade de se colocar isso em prática em países como o nosso, no que eu concordo, mas nada é impossível caso se construa um esquema de proteção da fonte confiável. Ela cita que, em uma conferência da Eurofins, uma única rede de varejo brasileira apresentou dados de resíduos de pesticidas em frutas, verduras e legumes referentes a alguns meses, cujo volume de análises era superior ao da pesquisa do PARA, da ANVISA, referente a um ano inteiro.

Deixamos aqui um convite, imperdível, para você navegar no portal da INFOSAN: http://www.who.int/foodsafety/fs_management/infosan/en/index.html

Além de dados estatísticos, informações sobre doenças de origem alimentar e manuais para download gratuito, é possível aprender como usar o Global Outbreak Alert & Response Network para se comunicar e  minimizar os impactos daquilo todos nós trabalhamos para evitar: as ameaças à vida dos consumidores. Bom proveito!


A confiança do consumidor na era das mídias sociais

Em sua deliciosa palestra, o representante da Nielsen Bélgica, Jean-Jacques Vandenheede, fez uma rápida viagem no tempo abrindo nossos olhos sobre como tirar proveito dos meios de comunicação atuais e principalmente das redes sociais. 


O ultimo slide de Vandenheede vale por um resumo:                                      
Seja visível, rápido e organizado, consistente e humano.
 
50% da população mundial tem menos de 30 anos, 1 em 5 casais se conhece pela internet. Para as gerações Y e Z, o email está se tornando um canal obsoleto de comunicação dada a ampla utilização das redes sociais
 
Para a pergunta "o que faz você que você se decida a comprar ou não um produto ?", a primeira resposta é: a recomendação de pessoas conhecidas (34%, sendo que a segunda resposta não passou de 13%)
 
Isso faria sentido para os nossos bisavós? Sim, claro. O ser humano continua humano, quer ouvir e compartilhar o que as pessoas de sua confiança têm a dizer. A diferença é que hoje, no Twitter por exemplo, uma opinião pode ter um alcance gigantesco. Um site com a manifestação das opiniões de consumidores já é a primeira fonte de consulta para confirmar ou não a qualidade de um produto
 
Pessoas de verdade dando seu depoimento sobre marcas e produtos têm grande valor para o consumidor
 
Em outra parte de sua palestra, Vandenheede abordou a seguinte questão: "Quanto você compreende das informações nutricionais e dizeres de embalagem?"


Será que no Brasil teríamos o mesmo resultado?


Agora, veja quantos disseram acreditar que as seguintes informações constantes dos rótulos são verdadeiras*
  • Calorias 33% 
  • Vitaminas 28% 
  • Gordura 23% 
  • Orgânico 16%  
  • Natural 14%
 (*) média global

Tire suas próprias conclusões se isso é bom ou ruim....

(Post editado em 17/02/2012 às 23:30 no horário de São Paulo) 






Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Conferência, dia 1: Stakeholder Meeting

Dando continuidade ao Dia 1 da Conferência, vou comentar sobre a primeira atividade do dia escolhida por mim.

Como assim, escolhida? É que havia duas atividades ocorrendo em paralelo, esta e mais uma “reunião de iniciação”, a qual não escolhi justamente por se tratar da apresentação do que é o GFSI e qual a sua importância, o que já venho acompanhando há anos como muitos sabem.

O Stakeholder Meeting, que ocorre a cada ano no início da Conferência, é uma sessão de duas horas cujo objetivo é apresentar as conquistas do ano que passou e projetar estratégias para o futuro.



Os trabalhos dessa reunião começaram após a fala de boas vindas do atual presidente do GFSI, Jürgen Matern, que é também Vice Presidente de Assuntos Regulatórios e Relações Externas da rede varejista alemã Metro. Jürgen já é conhecido dos profissionais brasileiros de nossa área, tendo comparecido ao Seminário de HACCP promovido  em 2010 pela Food Design em parceria com o ITAL. 


Vale observar que ao final da Conferência deste ano será oficialmente anunciado o novo presidente do GFSI, já que o mandato de cada presidente tem a duração de dois anos. Já sabemos quem será o novo presidente, mas vamos deixar para fazer o anúncio “oficial” ao final do blog.

Jürgen discorreu sobre o trabalho feito pelo Grupo de Trabalho “Competência dos Auditores”. Os convidados foram divididos em grupos e receberam a missão de discutir alguns temas, dentre os quais cito os que me pareceram mais importantes:

-       O Grupo de Trabalho “Competência dos Auditores” fez um bom trabalho?
-       Quais os problemas da estratégia adotada?
-       Que outras estratégias deveriam ser consideradas?

Ao final da discussão. cada grupo relatou por escrito as suas conclusões, que servirão para nortear o trabalho do GFSI ao longo de 2012.

Mostro a seguir as imagens do meu grupo de trabalho e de um outro grupo que contou com a participação de Juliane Dias Gonçalves, também do Brasil. A Juliane se prontificou a colaborar com nosso blog, uma ajuda mais que bem vinda pela qual agradeço desde já.









Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.


Conferência, dia 1: acordo IFS - Food Design


Ontem, quarta feira, após as reuniões dos Grupos de Trabalho a que me referi no post anterior, é que começou de fato a Global Food Safety Conference.

A manhã foi voltada ao Stakeholder Meeting, do qual participei. A tarde foi recheada de excelentes apresentações, seguidas de um coquetel. À noite houve um jantar oferecido pela DNV.

Eu tinha a intenção de contar tudinho já ontem após o jantar. Mas creiam-me que depois desta “maratona” eu estava bem cansada, e assim resolvi deixar para ir fazendo os próximos posts aos poucos.

Por enquanto, só vou anunciar uma novidade: a Food Design fez um acordo com George Gansner, representando o IFS que tem sede na Alemanha, e Caroline Nowak,  representante dessa entidade no Brasil, para conduzir em nosso país os treinamentos oficiais do IFS. Portanto, as empresas brasileiras poderão contar com mais esta opção de esquema reconhecido pelo GFSI. Em breve anunciaremos os primeiros cursos, que serão voltados aos profissionais das empresas que desejem implementar a norma IFS.








Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Grupo de Trabalho “Mercados Globais"

Ontem o dia foi dedicado a reuniões de Comitês Técnicos. Participei do Grupo de Trabalho “Mercados Globais”, no qual apresentei a experiência da Food Design no projeto voluntário que estamos desenvolvendo em Moçambique, onde Jonathan Motillon da equipe Food Design está dando continuidade ao projeto iniciado em 2010 a convite da UNIDO – United Nations Industrial Development Organization.


Este Grupo de Trabalho tem o objetivo de apoiar a adesão de proprietários de fazendas de pequeno e médio porte, ou de empresas de países em desenvolvimento e até de países menos desenvolvidos da OCDE, a um processo de melhoria contínua em sistemas de gestão da segurança de alimentos que possa pouco a pouco levar estas fazendas e empresas a aderirem ao programa.

Discussão sobre treinamento com Cindy Jiang, Diretora para Qualidade Global, Segurança de Alimentos e Nutrição do McDonald's USA (terceira da esquerda para a direita)
Grupo de Trabalho “Mercados Globais”, com coordenação de Frank Yiannas,Vice-Presidente de Segurança de Alimentos Corporativo do Walmart (segundo da direita para a esquerda)





Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

Conhecendo o local do evento

Ontem o tempo já estava bem melhor, com temperaturas bastante agradáveis. Ainda bem, porque ninguém merece vir para Orlando e passar frio, mesmo que esteja a trabalho. Hoje a temperatura já vai para 24ºC e a minima será de 13ºC. Bem melhor para uma criatura tropical!

Ontem, dediquei alguns momentos para conhecer melhor o hotel. Aqui vão três imagens que mostram um pouco como é o ambiente.


O lobby tem pé direito imensamente alto e uma decoração muito leve e agradável.


Dentre as lojas disponíveis, há uma galeria de arte com pinturas e esculturas, dentre as quais me encantei com uma de cristal, para Swarowski nenhum botar defeito. Veja a seguir:






Seu comentário é bem vindo!

Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.